Archive for March, 2009

Réquiem

Posted in Poemas, Uncategorized on March 16, 2009 by rafarelax

1/10/06

 

Aqui, do tumulto da sarjeta

Onde a revoada se perde na fumaça fétida e preta

Não se vê nem o pé da alvorada

Porque a grade trancou os olhos

Que antes faiscavam com um simples suspiro

 

Daqui emana o ar cético que a poeira consome

Dos cérebros derretidos que gotejam fios de dor

Pela falta que o brilho e o abstrato faz

 

Aqui, a carruagem de esperança

Passou levando os restos de coragem

Que me apoiaram no início da viagem

E que quase agora me mostravam os cantos agressivos da vitória

 

Aqui, no vazio em que me meti

Não vejo mais o som do silêncio

Não sinto mais o cheiro da brisa

Que um dia me tocou com tanto gozo

Não escuto mais o gosto de tuti-fruti

Das manhãs ensolaradas em que te tinhas entranhada em minha pele

 

E sem teus furos, teu sabor e tua força

O meu cadáver não quer mais seguir pra ilusão

Fujo de vez contigo –minha heroína

Quebro as grades desse túmulo que cavei com minhas próprias mãos

E te levo comigo pra sempre

Pro meu céu que é longe daqui – essa prisão.

Ouvindo Na Veia- Cordel do Fogo Encantado

requiem

Michelangelo´s Lusory

Posted in Poemas on March 13, 2009 by rafarelax

1/10/2006

Sitting here in the edge of my grey cloud

I watch over your sleeping body

That threatens me more than any thunder

My poor sick mind can ever throw.

 

Although your weakness arouses my finest instincts of anger

My stoned heart freezes the fingers ready to blow you up

With the simple memory of your sacred lips

Cursing the spread of my wings.

 

When poetry fell dead in my paralyzed starless sky

You came breaking the static with your golden ink

Painting my grey cloud,

Changing me softly and loud.

 

When I thought nothing would ever go wrong

You came all the way to shake me off my stoic calm,

– you couldn´t even fly-

Breaking into my cloud with your lousy sound.

 

But then you turned your eyes from me

Put the spot on someone else

I didn´t do a damn

I wanted to shoot right through your hat

And to erase any track of you that still remained in my head

 

I would not need anybody else by my side

To spread your ashes towards hell

I would do it with my own wings

– the ones you once tried to cut-

 

As I clean the dirt on my way up

-Oh no! Who would guess you turned out to be a phoenix?-

I´m forced to watch you reborn

and fly back home to my cloud no longer grey

You lay down by my side waiting for the moment

I will rip your fake wings and throw you away.

je ne regrette rien

Posted in Poemas on March 4, 2009 by rafarelax

angel

Congela teu cheiro doce de jasmim

Memoriza e grava teu eterno eu dentro de mim

Enlaça o sorriso mais sincero que te marcou

E guarda naquele céu que tantas vezes me levou…

 

Me conta de novo que sou eu o motivo

E que sem mim não sabe a graça e o valor de estar vivo…

Me fala como a vida deve ser bonita

E o quanto você quer cuidar da Anita…

 

Apaga o pó que ficou em mim

Daquele ‘spot on someone else’

Queima em você o joio que restou

E não dê trela, deleta do seu computador

 

Se não agora e aqui… pra todo sempre destinado

Se não o corpo aninhado… a alma de ti entranhada

Se não feliz na caminhada… de ti minha cabeça segue estagnada

Se não o amor verdadeiro… a melhor mentira vivenciada.